A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Artur da Távola
saiba mais sobre o autor

O poeta, a palavra, a estranheza
(Artur da Távola)

A palavra é o melhor e o mais impreciso meio de representar o real. E o real é fluido. A palavra representa o esforço do homem para aprisionar, traduzir, decodificar e até reinventar a fluidez do real. É instrumento precário e, ao mesmo tempo, único, original, deslumbrante.

O poeta é um ser solitário, sensível e diferente, que se torna cúmplice do processo através do qual a palavra impera sobre o homem, ao mesmo tempo em que precisa ser por ele domada, conhecida, vencida. O poema nasce do esforço de obter da palavra o máximo de precisão, expressão, submissão e, ao mesmo tempo, beleza, variedade, ambigüidade e semitons. O poema, se alimenta da relação entre essas duas ambigüidades resolvidas quando há a conquista da clareza. Mas é busca interminável luta para conciliar o caráter escorregadio da palavra com o sentido das coisas. Para o poeta a palavra deve ser deusa e serva.

O poeta é também imperador e servo no reinado de palavras em busca do sentido. Do sentido oculto principalmente. A vida inteira dedica-se a garimpar palavras e a fazer perguntas inquietantes - mas esclarecedoras - sobre o sentido da vida. Para tal, nada mais preciso e penetrante que a poesia porque ela opera com o "verso" das coisas através do sentido das palavras. Através do sentido, do sentimento e da beleza, abrem-se o espírito e a razão para os clarões das fugidias verdades. Apenas com isso podemos contar, pois somos seres afundados de modo irremediável na dúvida sobre a vida, a morte, o tempo e o universo. Para tal, só essa forma inusitada de humor que é a poesia. Por isso, costumo dizer que o poeta é o humorista da estranheza. Seu estranhar o mundo, as coisas e o homem determina uma forma de humor, às vezes amargo, ora metafísico ou filosófico que reflete a percepção sempre fugidia do mistério e a apreensão sempre imperfeita da exatidão ou da diafania da palavra.

2648 visitas desde 13/04/2008

xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx

   
 
Últimos artigos:

Livros e sebos
(Artur da Távola)

A poesia como ponto de partida
(Lau Siqueira)

Vamos Falar de Poetas
(Marcial Salaverry)

Pontuação e separação de versos na poesia (Dalva Agne Lynch)

A Feira do Livro de Porto Alegre entre os interesses do mercado e os da sociedade
(Lau Siqueira)

A arte de não ler (Hélio Consolaro)


» Todos os artigos

» Listar autores


Copyright © 1999-2010 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com