A Garganta da Serpente
Artigos Envenenados textos sobre literatura
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Páginas e conteúdo

(Arnaldo Massari)

Há uma falsa pressuposição de que a qualidade de uma obra estaria representada pelo seu número de páginas. Cabe ainda ressaltar que o Leitor não está interessado em comprar papel, e sim, conteúdo.

A qualidade da leitura contida em um volume deve trazer a viagem aos sentidos do consignado no sucedâneo das palavras: em trama, narrativa ou verso - em construção tal, que seja incorporada em vontade de vislumbre e partido, pelo leitor. A extensão rigorosa de um trabalho escrito não denota, necessariamente, que houve uma riqueza criativa ou detalhista, num sem-fim de capítulos e personagens.

Um relato, um romance ou um conto, tenham a largueza que tiver, segundo o autor, são a transferência fiel e completa do fato ou da fantasia ao âmago do leitor, como personagem em pseudo-ação, no emotivo, em concordância ou discordância. Em agrado ou repúdio.

Historicamente, não são muitos os clássicos volumosos em que o autor conseguiu manter o equilíbrio em assunto seguido, sob escrito bem construído, vivo, assegurando o interesse linear na leitura, sem altos e baixos, sem desaquecimento ao entendimento e ao interesse, no seguido urdir das palavras e das linhas.

Muitas obras se tornaram notáveis por ter saído do meritório calhamaço escrito pelo autor e, pelas mãos de roteiristas, adaptadas cirurgicamente às telas e aos palcos. Escritos, também, são cristais de água que se derretem e se destilam.

Nesse fundo e nesse raso de olhos em leitura, buscando as janelas de recantos outros, ainda não vistos e não sentidos, na sua contramão estão o mercado editorial e o do marketing que não reluzem verdadeiramente a vontade, o refinamento e a criatividade de valorosos autores aos seus parceiros leitores. O que prevalece é a velocidade do faturamento, o qual, impulsionado pela boa publicidade, muitas das vezes il fait merde se tourner l'or.

Já no Céu de Autor, nublado ou chuvoso, quem escreveu, em geral, fica com dez por cento do valor de capa. Os outros noventa por cento são distribuídos sob o maior espírito de justeza entre a editora, o distribuidor e a livraria - apesar de sem escritores não haver livros. Os incentivos governamentais são muitos: ficam nas alocuções dos palanques, ou remanescem nos textos prolixos, por conta de que a cultura pode subtrair os votos inconscientes.

Tudo faz crer que vivenciamos uma realidade de valores invertidos, em que os indivíduos são manipulados pela mídia, rigorosamente, a ponto de quase não haver opinião própria, mas sim grupal, de maioria, sem sentido crítico ou comparativo. Um verdadeiro embrutecimento cultural. O marketing distorce o raciocínio, solapa a sensibilidade, instituindo falsos modismos voltados unicamente aos interesses financeiros.

Se assim não fosse, não haveria os borrões que se tornaram Artes Plásticas. Os sons repetitivos e grosseiros que despontaram como melodia de sucesso. Não ficando assim tão somente.

Talvez fosse o caso de se escrever um montão de besteiras sobre um sem-número de páginas, como já começaram a fazer - na busca de uma carona na idiotice consagrada - para que, então, inusitadamente, pudesse virar um best-seller. Trazendo como derrotados os Autores e os Leitores e, como vitoriosos, os leigos do engendrar e da intermediação!

  • 2010 visitas desde 16/12/2005
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente