A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Ana Luísa Peluso
saiba mais sobre o autor

Como organizar seus escritos
(Ana Luísa Peluso)

Todos nós temos a mania de organizar ou catalogar aquilo que produzimos e se não o fazemos, descobrimos com o passar do tempo que simplesmente nos perdemos entre tantas papeladas, layouts, desenhos e outros afins.

Há os defensores da “bagunça organizada” que por incrível que pareça funciona. E bem.

Para o autor, claro.

Se uma pessoa desconhecida for pesquisar a vida de um escritor ou compositor e se deparar com obras sem datas ou menções da época em que foram escritas, a coisa começa a ficar um tanto quanto difícil.

Imagine um biógrafo poder compilar dados, ou mesmo emoções do biografado sem se ater à datas?

Tarefa quase impossível.

Para aqueles que gostam de escrever ou mesmo fizeram disso um ofício, a ordem é imprescindível.

Há uns quatro anos atrás assisti uma entrevista com Gilberto Gil que contou que sua atual esposa, Flora, estava começando a organizar e compilar seus discos e canções por ordem de data, verificando tudo, inclusive para requerer direitos autorais sobre a obra do artista. Ele citou na entrevista concedida à Jô Soares que havia músicas que nem mesmo ele lembrava de haver composto. Flora realizou um árduo trabalho com a ajuda da primeira esposa de Gil.

Dá pra sentir a importância da organização, principalmente no que se refere à escrita, propriamente dita.

Um autor que tenha seus escritos em ordem, sabe de sua evolução e facilita o trabalho de quem pesquisa.

Existem, é claro, aqueles autores que nem querem saber do texto após terminarem de escreve-lo, como Clarice Lispector, por exemplo. Mas fora algumas extravagâncias de alguns, totalmente toleráveis e até incentivadoras no que se refere à descobrir mais sobre a personalidade do autor (por que Clarice agia assim?), continuaremos a incentivar a organização.

Para você que escreve ou pretende escrever, aqui vão algumas dicas:

  1. Procure datar seus textos. Sejam eles manuscritos, datilografados ou digitados em micro computadores. Se forem datilografados, procure organiza-los em uma pasta. No caso do micro computador, crie pastas ou diretórios para ficar mais fácil na hora de buscar "aquele" texto que você precisa enviar para uma redação, para conseguir "aquele" emprego.
  2. Assine todos os seus textos, mesmo que sejam digitais, para poder requerer direitos sobre eles no momento em que precisar.
  3. Se houver uma citação referente ao texto, anexe-a junto ao mesmo. Até você vai acabar compreendendo o por que de ter escrito aquilo.
  4. Quando enviar uma cópia de um artigo seu a algum veículo de mídia, teste para empregos, ou mesmo um inofensivo e-mail, não se esqueça de mencionar aquela velha frase: "Proibida a reprodução total ou parcial de quaisquer trechos desse texto, sem a permissão prévia do autor". É claro que você não vai registrar uma patente para cada texto que escreve. Até porque é uma maneira um tanto quanto cara de proteção de direitos autorais. Mas uma consulta a um advogado ou mesmo o registro em cartório ajuda muito.
  5. E por fim, pense sempre que mesmo que você nunca se torne famoso e muito menos entre para ABL, algum descendente seu vai adorar saber que houve um escritor na família e querer ler suas obras!

Se você já está no meio daquele romance, aproveite para usar estas dicas. Quem sabe você não será um biografado ilustre daqui a alguns anos?

(10/08/00)

2694 visitas desde 8/07/2005

xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx

   
 
» Todos os artigos

» Listar autores


Copyright © 1999-2017 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com