A Garganta da Serpente
ajuda
 
 
  versão para impressãorecomende esta página
Affonso Romano de Sant'Anna
saiba mais sobre o autor

Leitura com ou sem computadores
(Affonso Romano de Sant'Anna)

Claro que causa impacto a informação de que, no Brasil, 34,5% das escolas do ensino fundamental não têm energia elétrica. Isto fica ainda mais dramático quando este número se converte em algo mais palpável, ou seja, que são 63 mil escolas. E ficaríamos mais desolados se soubéssemos que milhares ( ou milhões?) de crianças são atingidas por essa situação. Então, a pergunta em torno disto é saber o que ocorrerá com o projeto federal de informatizar o ensino, se nessas escolas não há sequer energia.

Por outro lado, há dois ou três anos, comentaristas políticos diziam que cerca da metade dos computadores enviados para as escolas estavam encostados e não eram operacionalizados porque as pessoas não sabiam como utilizá-los. Se juntarmos as duas informações, deduziremos que é necessário fazer paralela e sistemicamente algo além da tentativa de atualização tecnológica. Ou seja:a questão da leitura volta ao centro do problema e até mesmo antecede a questão revolução tecnológica.

Estou falando de leitura pura e simples, que pode ser desenvolvida mesmo numa escola sem assoalho, com paredes de pau a pique e debaixo de folhas de sapé. Outros países (e nisto Cuba é sempre lembrada), mesmo sem recursos materiais, deram um salto educacional investindo nos professores e nos alunos. O Brasil tinha um know how original nessa área- o método Paulo Freire, que chegou a ser exportado, e aqui foi relegado. O método voltava-se para a leitura, o mistério das letras, a descoberta do sentido das coisas e dos indivíduos. O elemento central dessa pedagogia era o indivíduo e não a tecnologia.

Hoje estamos numa situação, no mínimo, paradoxal. Estamos entre o método barato e funcional não aplicado e a premência de atualização tecnológica cara e precária. Que lições tirar disto? Por que de um extremo vamos ao outro e nos perdemos no meio? Como conciliar as duas coisas, o mais artesanal e o mais eletrônico método de aprendizagem? Como um pode compensar o outro? Quando o Brasil vai aprender a somar estratégias ao invés de exaurir recursos?

O livro e o computador devem ser complementos um do outro.

A leitura é, na verdade, a tecnologia básica que perpassa os dois. E ela, sim, deve ser o objeto central da discussão.

1920 visitas desde 19/09/2006

xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx xxx

   
 
» Todos os artigos

» Listar autores


Copyright © 1999-2017 A Garganta da Serpente
Direitos reservados aos autores  •  Termos e condições  •  Fale Conosco www.gargantadaserpente.com