A Garganta da Serpente
Artigos Envenenados textos sobre literatura
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A Letra e a Anomia Pós-moderna

(Affonso Romano de Sant'Anna)

Em 1972, portanto, na pré-história dos computadores, escrevi um ensaio intitulado "A antiga relação entre a escrita e a ideologia" , no qual desenvolvia basicamente as seguintes idéias: a história da escrita pode ser compreendida em três instantes:

- a criação da escrita primeira ou escrita- sujeito,
- a escrita segunda ou escrita-objeto
- e o desenvolvimento de uma escrita terceira, que ultrapassa o sistema de letras do alfabeto.

A escrita primeira, ou escrita-sujeito, é a escrita sagrada, onde o Criador traz diretamente seu texto aos homens através da voz de um profeta, de um poeta ou até mesmo através do suporte de uma pedra onde se inscreve a verdade. Seja na Biblia ou no Corão, a escrita é a reprodução de um arquétipo celeste. Ter essa palavra é ter a verdade. E essa verdade escrita vem do alto, é revelação a escolhidos. É uma escrita-sujeito, porque pronunciar a palavra é mover o mundo. A palavra é a própria coisa da qual ela fala. Por isto, torna-se ela intocável e cercada de cuidados especiais. Não só o livro sagrado é guardado no Templo , mas a própria palavra -Deus é escrita a ouro ou com estilete especial ou proibida de ser pronunciada.

A escrita segunda, ou escrita-objeto, é já uma escrita profana.A diferença entre a escrita sujeito e a escrita objeto assemelha-se à distância entre o pergaminho e um pocket-book , entre a edição princeps e uma publicação em folhetim. Enquanto a escrita primeira trazida por Moisés nas tábuas da lei verticaliza a relação entre o indivíduo e o sobrenatural, a escrita segunda horizontaliza, instrumentaliza e organiza humanamente a comunidade. A escrita-sujeito é poética, a escrita objeto é prosaica.

Já a escrita terceira, dizia eu naquele ensaio -quando não sonhávamos com a Internet - "ultrapassa o sistema de letras do alfabeto. É o texto além do livro e da letra, uma certa escrita tecnológica desenvolvida nos computadores e laboratórios, signos e sinais novos configuradores de um novo saber para uma idade planetária" .

Quando fui convidado a falar neste seminário, comecei a vasculhar em mim mesmo o que poderia hoje dizer que acrescentasse algo, às minhas considerações sobre o tema da escrita e/ ou leitura.

A Internet potencializou fantasticamente o que chamei de escrita-terceira. Ocorreu uma descentralização total da informação. Já não é mais verticalizante como o era ao tempo de Assurbanipal, quando o imperador assírio, sendo o rei divino, era seu próprio escriba e comandava o poder religioso, militar e civil. A escrita já não é mais horizontalizante apenas como ocorreu com a irradiação do universo de Gutemberg, que possibilitou a disseminação do livro, popularizando a palavra divina (e profana), até o ponto em que qualquer pregador semi-letrado do subúrbio pudesse fundar sua seita.

Hoje o sistema em que vivemos superou o modelo da irradiação de uma estrela. Nesse modelo autoritário e cêntrico, a luz emana de uma fonte e deve iluminar a periferia. Agora o saber, provêm de vários centros, de fontes múltiplas. A informação é polifônica, polivalente, dialógica. É como se de diversas montanhas diversos Moisés estivessem descendo com diversas tábuas da lei, contraditórias entre si, exibindo-as às doze mil tribos perdidas e atônitas no deserto diante de tanto maná de informações.

O que estou começando a insinuar é que nossa cultura conheceu a passagem do regime de escassês ao regime de abundândia ou, talvez, de excesso de informação. Outrora havia pouco que ler. Os textos estavam em rolos e tabuinhas, ou, como em "O Nome da Rosa", de Umberto Eco, só os privilegiados podiam manusear certos incunábulos. O texto-sujeito era inseparável da voz do seu emissor, o profeta. Também inseparável o era da voz do filósofo. Sócrates não escrevia, falava. A verdade era indissociável do sujeito. Claro, Platão cometeu o sacrilégio de exercitar a escrita-objeto, redigiu, como os envangelistas, os textos do mestre. De lá para cá, progressivamente, caminhamos para a proliferação de textos e significados até chegarmos à superabundância textual e eletrônica de nossos dias.

Moro do lado de uma favela num dos bairros mais requintados do país. A favela Pavão/Pavãozinho começa em Ipanema e sobe a montanha derramando-se na direção de Copacabana. Ou vice-versa. Passo pela sua frente várias vezes ao dia. Várias vezes já vi inscritas em seus muros ( até na lixeira que acumula tudo o que do alto do morro vem), frases encimando uma bandeira nacional pintada no muro: "Queremos paz", "Rio eu te amo" " Brasil, campeão do mundo".

Desse morro descem trabalhadores, traficantes, donas de casa além das crianças uniformizadas em direção às escolas do bairro. De crioulas e mulatas sestrosas a rapazes com tênis e jeans da moda, ali há de tudo. Na bar da esquina, em frente, sobretudo nas sextas e sábados reúnem-se bêbados , malandros e trabalhadores comendo churrasquinho na calçada, falando de futebol ou narrando cenas de agressão.Volta e meia há tiroteios. À noite as balas são luminosas. Há bailes funks madrugada a dentro. As casas que há 30 anos, ao tempo em que escrevi aquele ensaio, eram de madeira e papelão, hoje o são de alvenaria e têm vários andares. Urbanizaram um pouco a comunidade. Eles que pareciam estar ali provisoriamente, criaram raizes de concreto armado.

Quando um favelado desce desse moro ou quando eu saio de minha casa, ocorre um fenômeno curioso em relação à escrita e à informação. As lojas, as ruas, as vitrinas estão cheias de palavras que não pertencem ao português. A maioria é em inglês mesmo. Mas, muitas não pertencem nem ao inglês nem ao português. São siglas, nomes inventados para marcas, produtos e lojas. Como já me referi num poema são grafitos do cotidiano. Hieroglifos na pirâmide capitalista. Sinais na superfície de nossa rupestre e eletrônica cultura. ( Poder-se-ia , é claro, dizer que esse confuso fenômeno de leitura ocorre dentro das próprias casas, já na televisão , já nas embalagens dos produtos adquiridos).

Vivemos num espaço de logomarcas, de hierogrifos escritos por um faraó, cuja face não conhecemos. Isto nos conduz a uma questão, ao chamado " mundo das letras", não ao ambiente literário especificamente, mas ao contexto onde interagimos com a escrita e com a leitura. E isto recai em outro tópico de que tratei em outras oportunidades- o fato de que em nossa sociedade hoje, além do anfalbetismo convencional, além do analfabetismo funcional, há o analfabetismo tecnólogico, que faz com que estejamos reaprendendo diariamente novas linguagens.

Se ao tempo da escrita primeira- escrita divina, verticalizante, havia uma escassez de textos e informação, se ao tempo da escrita segunda, escrita burguesa e mercantilista havia já uma expansão horizontalizante e folhetinesca do saber, agora, ao tempo dessa escrita terceira ingressamos, pela superabundância de informação, no bizarro universo da anomia escrita. Anomia que caracteriza aquilo que alguns teóricos amam chamar de pós-modernidade.

Digo " anomia" e vou ao dicionário me entender: "1.ausência de lei ou regras; anarquia. 2. Estado da sociedade no qual os padrões informativos de conduta e crença têm enfraquecido ou desparecido..3. Condição semelhante em um indivíduo, comumente caracterizada por desorientação pessoal.ansiedade e isolamento social. 4. Med. perda da faculdade de dar nome aos objetos ou coisas ou de reconhecer e lembrar seus nomes".

Daqui se poderia partir para muitas considerações. Por exemplo, a questão do próprio cânone gramatical e linguístico. É sintomático que os jornais tenham hoje seções que ensinam e discutem os abusivos erros de linguagem cometidos pelos próprios veículos de comunicação. Pode-se também falar do cânone artístico ou específicamente literário como o fez Harold Bloom, ao exigir um retorno aos clássicos em reação à entropia gerada, nas universidades americans, pelos chamados " estudos culturais". Também se poderia desenvolver antropologicamente esse tópico enfocando a perda de identidade cultural de que são vítimas os indivíduos que migram do campo para a cidade e ficam perambulando pelos subúrbios e favelas, os quais tendo aberto mão de um saber e de uma cultura nem sempre adquirem algo em seu lugar.

No conhecido relatório Nora & Minc, produzido quando a França, há quase 30 anos, queria estabelecer uma política de telemática levando em conta o futuro, que já se fazia presente, estava escrito: "A informática, vai também subverter uma cultura individual constituída principalmente de acumulação de conhecimentos exatos. Doravante a discriminação residirá menos no estoque de saberes e mais na habilidade em procurar e utilizar. Os conceitos terão preferência sobre os fatos, as iterações sobre as recitaões" .

É profético esse texto escrito muito antes da Internet. Hoje nossa memória não está jesuítica e decoradamente na nossa cabeça(apenas). Está num banco de dados em cidades em outros países. Podemos acessar "sites", manipular as informações mais diversas, instantaneamente.

Dir-se-ia, diante do triunfalismo da eletrônica e da informática, que alcançamos a porta do paraíso. No entanto....

...no entanto, reconsideremos. Moro ao lado de uma favela, onde o nível de desinformação é assustador. Não apenas nessa favela. Não apenas nas favelas. Nos outros bairros de classe média e classe média alta, não se pode confundir a quantidade de aparelhos eletrônicos com a quantidade ou qualidade de informação. Aqueles que vão constantemente a Miami ou que fazem o trajeto Elizabeth Arden( Nova York, Paris, Londres) não voltam necessariamente acrescidos de conhecimentos, embora regressem trazendo roupas, sapatos, caixas de bebidas e eletrodomésticos.

Minha empregada, que mora no subúrbio, tem todos os aparelhos eletrodomésticos típicos . Há dias, comunicou-me que ela e seu marido haviam visto uma entrevista minha na televisão a cabo, da qual é assinante, e eu não.

Ela sabe escrever. Tem uma letra até bonita. Mas é desnorteante a falta de informação em que vive. Ela, sua irmã, suas amigas. E isto é um modelo reduzido de uma vasta camada da população. Pois essa falta de informação não diz respeito apenas a saber objetivamente quem é Clinton ou qualquer outro político que aparece todos os dias na tevê ou a cena política de que fala o "Jornal Nacional". A rigor, observe-se que muitas pessoas "desligam" sua atenção no horário das notícias, voltando a " religá-la" na novela . Ou, se uma notícia interessa será sempre a respeito de uma tragédia nacional ou internacional ante a qual é impossível permanecer impassível. Não há nessas pessoas nenhum mecanismo que processe as informações.

De igual maneira não se interessam pelos programas culturais das " tevês cultura", nem pelos programas artísticos de várias tevês a cabo. A preferência vai sempre para os programas tipo "horror show", espécie de " mundo cão" ou de " a vida como ela é". É como se fossem impermeáveis a certo tipo de informação estética mais sofisticada ou mesmo informações científicas úteis para o dia a dia.

Minha mulher, volta e meia volta atônita, pasma, impactada com as conversas que tem com nossas servidoras. E isto não diz respeito à ignorância apenas em relação à dieta, aproveitamento de folhas e legumes, mas diz respeito ao desconhecimento que têm até da maneira como devem usar a pílula anticoncepcional. Pensavam essas empregadas, que a pílula só deve ser tomada quando se tem relação sexual. Outras tomavam a mesma pílula de uma prima ou colega, sem irem ao médico. Outras dividem uma pílula em duas, porque não têm dinheiro para comprar uma cartela inteira. E o desconhecimento do funcionamento do seu corpo é espantoso, embora a televisão e os fascículos em banca estejam estampando toda sorte de informação a respeito.

E o mais intrigante. Minha mulher detetou em algumas delas uma síndrome perturbadora: o regozijo do não saber, o júbilo da ignorância. Pois apesar das explicações didáticas sobre esses e outros assuntos, volta e meia, aparecem com uma frase onde revelam que vão manter seu comportamento e suas idéias antigas, porque desconfiam do "saber" dos letrados. É como se a simpatia, a magia e a tradição fossem mais forte que qualquer outro tipo de informação. Ou seja, verifica-se aquele quadro a que me referi anteriormente: vieram de uma cultural rural, não trouxeram para a cidade esse conhecimento e não assimilaram o saber disponível. O mundo, enquanto texto, não lhes interessa. Vivem numa situação pré-texto e desviante do texto.

Então, estamos numa situação paradoxal. Num universo de abundância de informação, as pessoas não querem ser informadas. Pois, informar-se implica em mudar comportamento e mudar comportamento não é uma operação cômoda, é como crescer, operação árdua, milimétrica, dificultosa.

Aqui confirma-se aquilo que MacLuhan dizia de uma certa lagarta que olhando uma explendorosa borboleta exclama;- "Eu jamais me transformarei num monstro daqueles".

Lembro-me de já lido e também de ja ter escrito sobre o fato de que o índio na floresta sabe ler os signos de seu mundo e nós na cidade nos achamos totalmente perdidos como se estivéssemos numa floresta de indecifráveis signos. Para dirimir o pânico, lemos os jornais- vitrina, espelho, e nem por isto nos entendemos melhor.

A relação harmônica entre o primitivo e o meio foi rompida pela arrogância civilizatória. Sem querer pregar o regresso à uma mítica " edad dorada", importa lembrar com Levi-Strauss em "Tristes Trópicos", que as sociedades não letradas também têm cultura e as sociedade da escrita não são necessariamente ética e humanamente melhores que as dos analfabetos. É preciso ousar dizer isto, sobretudo nós que batalhamos pela leitura . Até estrategicamente, dialeticamente e por humildade é bom questionar pela raiz o nosso saber para talvez reafirmá-lo mais correta e abertamente.

Com isto estou querendo ressaltar que uma das missões mais árduas daqueles que trabalham com e pela leitura é enfrentar a questão da banalidade da informação na sociedade eletrônica. Sim, banalidade, termo que aguça ainda mais o sentido de superabundância a que me referi anteriormente, pois a idéia de " abundância" pode induzir a um júbilo interpretativo.

Há um refrão que sempre digo e uma vez mais o repito, e que se encaixa no que estou configurando: quando falamos de leitura não estamos falando de leitura, mas , sim, de leitura . O trabalho por uma sociedade leitora consiste antes de tudo em desautomatizar a noção trivial de leitura, porque o que se comprova na sociedade do excesso de letras e sinais é que os que lêem, não lêem.

Daí a necessidade de retomar o conceito de anomia a que me referi anteriormente. Já que a palavra não vem mais da boca de Deus diretamente e que é necessário interpretá-la, decodificá-la, torna-se, mais do que nunca, urgente desenvolver estratégias de leitura do mundo.

As vitrinas estão cheias de palavras. As ruas estão cheias de palavras. A televisão, a Internet, o cinema estão cheios de palavras. As bancas de jornais, as falas dos políticos e artistas jorram palavras. As camisetas estão cheia de palavras. Muitas delas em inglês , e o suburbano brasileiro ou marroquino que as veste não tem a menor idéia do que está expondo sobre o seu corpo. Transporta um discurso alheio, estampa irrefletidamente a logomarca de outro, é um portador de significados, apenas um suporte de informação.

Isto tudo contrasta com outros depoimentos que emergem sobretudo dos indivíduos mais oprimidos em nossa sociedade letrada. Depoimento de marginais como o de uma certa Andiara Leite ao "Jornal do Brasil" (4.6.2000) é tocante. É uma coisa forte, isto que essa moça diz: que no meio de sua desgraça como menina de rua, ladra, drogada, exposta à prostituição, depois de já ter nascido numa penitenciária- já que sua mãe estava encarcerada- no meio disto, falando sobre sua vida e anseios, lembra de uma certa D. Vera que lia histórias para ela e seu grupo no Largo do Machado e diz:" eu tinha vontade de ter meu próprio livro. Eu tinha um sonho de ser poeta".

Ter vontade de ter um livro, um livro que seja, e seu. Em seu desamparo ela está dizendo o mesmo que pensadores como Heidegger também dizem: poeta é aquele que dá sentido às coisas, que provoca a reunião relevante e revelante do sentido, que organiza em linguagem o caos da sua polis .

Possivelmente é disto que necessita a sociedade da anomia letrada e da entropia informacional, de que seja mobilizado , potencializado o genoma poético dos indivíduos para que se tornem sujeitos num universo de objetos passivos.

Mexo nos meus arquivos sobre leitura e dou com uma entrevista de um menor criminoso M.P.C.C. de 16 anos. Uma entrevista ao então Secretário de Segurança do Estado Rio- Hélio Luz na "Revista de Domingo"(JB) de uns três anos atrás. No meio de dramas perturbadores, quando Hélio Luz pergunta ao menor interno:-" O que lhe faz falta?" , ele responde: " O estudo. Com ele eu conseguiria uma vida melhor. Pra ter isto preciso ter leitura. Eu leio muito pouco, soletro. Sei escrever também".

Este e outros depoimentos que guardei revelam uma coisa patética: os marginais e pobres sabem que a leitura é um instrumento de resgate social. Que bom se os governantes tivessem igual convicção ou que então parassem de fazer aquilo que já qualifiquei de " discurso duplo"( 4 ).

No meio desses textos deparo-me com um, imaginem, de Gerard Depardieu. Em geral, não se sabe que o mais notável ator francês da atualidade foi um menino favelado. E o que ele fala sobre o papel da leitura no resgate de sua vida é significativo. No "La Nación" de Buenos Aires(20.11.1999) uma ilustrativa reportagem lembra o personagem Cyrano de Bergerac, que Depardieu encarnou , e que era um tipo que possuía as palavras mais maravilhosas, mas que não podia expressá-las à sua amada, atemorisado que ela o rejeitasse por ter aquele enorme nariz. Depardieu conta então que sofreu também uma impotência similar a do seu pernagem: " Eu não tinha vocabulário e isto bloqueava todas minhas emoções" diz ele. "Mas tive a sorte de ler e depois de crer no que lia. Quando li pela primeira vez "Madame, eu a amo", logo pude dizê-lo, me senti muito importante. É que sou um menino de favela, ainda que tenha nascido num país do Primeiro Mundo, porque en todos os lados há favelas. E que têm as favelas? O rap, o futebol e a tevê. Por sorte, o cinema me salvou da incomunicação, e os personagens históricos me deram uma carga cultural a qual nunca pude aceder porque não fui suficientemente à escola".

A metáfora inscrita no personagem Cyrano de Bergerac é dupla. De um lado, Cyrano que possuía as palavras e as manejava com a habilidade de um espadachim apaixonado. De outro, o outro pretendente que se servia das palavras e da voz de Cyrano para conquistar Roxana. Um caso de ventriloquismo e de esquizofrenia em relação à linguagem. A impotência e o disfarce.

Mas o dom de Cyrano, é o mesmo almejado pela menina marginal a que me referi acima - o dom poético. E aqui não se trata da poesia enquanto o sagrado da primeira escrita, senão a linguagem que por ser poeticamente reunificadora potencializa amorosamente consciência humana e é capaz de vencer a anomia dos tempos atuais.

Enfim.

Interpretar.

Ler o mundo.

Reinventá-lo com a poesia possível.

  • 3099 visitas desde 3/08/2006
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente