A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

São Paulo é esperança todos os dias

1
No meu antigo toca discos
ouço com muita emoção,
lindas canções de outrora:
-“São Paulo Quatrocentão”
da ”rapaziada do Brás”...
O “Trem das Onze” me traz
saudade e muita emoção.
2
O trem pelos velhos trilhos,
a história do povo escreve!
e a cidade em seu cenário
sempre arrojada se atreve
a plantar modernidade
sofra a gente com a saudade
que o progresso não é breve.


3
São Paulo não perde tempo
inova, protege, acolhe,
quer sua gente contente
não há garoa que molhe
o entusiasmo dessa sina
quem vence sua rotina
dá vida aos sonhos que escolhe.
4
O povo quer movimento
quer cenário, quer ação,
quer futuro e conforto
pela glória da nação...
Todo mundo quer ter paz,
como é bom sonhar no Brás,
há poesia neste chão!
5
Sou paulista do Interior
e passo a vida na estrada,
quem gosta de movimento
quer vida facilitada;
ao modernismo dou fé,
por todo lado dá pé.
se a cidade é bem cuidada...

6
Quando estou na capital
tenho eficiente transporte,
seguro rápido e limpo
toda estação tem bom porte
que nem posso imaginar
sem metrô pra trabalhar.
Ser pontual é ser forte!
7
A inspiração não me falta
e até me lembro que, a gente,
há trinta e cinco anos tem,
este serviço excelente
que movimenta a cidade
e dá ao povo a vontade
de viver mais... felizmente!
8
São estações variadas
espalhadas pela cidade,
elevadas, com plataformas,
e na sua versatilidade,
põe no cenário poesia,
integra-se com a ferrovia
caminho de prosperidade.

9
Entre fixas e rolantes
gente que traz movimento
no ganha pão habitual...
páro, olho e meu pensamento
cola imagens que resumo,
para as falas de consumo...
Reportagens do momento!
10
Quem tem alma solidária
da valor à cortesia:
por favor... muito obrigado,..
dá licença... que poesia,
nas convenções sociais;
todos nós somos serviçais
pelo pão de cada dia...
11
Certo prefeito da história
melhorou a imagem do Brás.
com novas edificações
e o povo cheio de paz,
se orgulha, a todo instante,
por ser sempre o bandeirante,
de eras que não voltam mais...


12
A história que é feita em ciclos,
deve a equipe jesuíta ,
que nem sabia, meu Deus,
que metrópole catita
que a sua instalação
na história da fundação,
seria plena e bonita.
13
Na sequência do transporte
o tempo não segue à toa
e o cenário, num instante,
de São Paulo da garoa,
vai e volta com o metrô,
rápido como um alô
de celular... Coisa boa!
14
Na integração, sem saudade
que traz Maria Fumaça
é recompensa gostosa
é vida cheia de graça
é tempo cheio de glória
é povo que faz a história
nas estações em que passa.

15
Sertanejo deslumbrado
da capital do Interior,
paro e olho como poeta
e, fotografo com amor,
a cidade velha e a nova...
Faço haicai, cordel e trova,
São Paulo em tudo tem cor.
16
Fora e dentro da paisagem
do metrô, pelas estações,
a moda que inventa moda
tem espaço de emoções,
nos projetos culturais,
além de artes visuais
concertos e belas canções.
17
Viajando, cheio de sonhos,
o usuário com vigor,
faz a vida mais contente,
tem no metrô, o esplendor,
do minuto brasileiro.
Sabe que tempo é dinheiro
e dinheiro é vida e valor.

18
Nestes bons trinta e cinco anos,
dos quais dez em Companhia
de Trens Metropolitanos.
São Paulo que é poesia.
tem seus pontos cardeais,
movimentos cordiais,
na vida do dia a dia...
19
Entre túneis e superfícies.
neste cenário bacana,
paz pelas quatro estações
com as vitrines de Ikebana ,
esculturas e poesia...
O jornal de todo o dia...
É obra que de Deus emana.
20
Nesse progresso incomum
de terra quatrocentona,
dos cafezais à indústria
ao comércio em maratona,
o povo que se desdobra,
o imigrante tudo cobra,
da cidade que emociona.

21
Cenário amigo é o Metrô.
solidário nada esconde...
Relembre através da história
a vida dura do bonde,
no meu relógio de ponto...
Todo mês quanto desconto!
a rapidez corresponde.
22
São Paulo dos meus amores
treze listras da bandeira
progressista a todo o instante
de vida gentil e ordeira
cidade que se desdobra,
urbanidade que sobra
pela pátria brasileira.
23
Nesta vida coisa boa
meu trem das onze é fulgor,
corre até a meia noite,
é transporte de valor,
é segurança de fé,
é sorriso que dá pé
é verso de cantador....

24
Vai-e-volta, gente bonita,
da pátria bom cidadão
em sua a faina diária,
carteira assinada ou não,
que, São Paulo, que é formiga,
também é cigarra e abriga
a saga da construção.
25
Neste mundo transversal
Temas escolares tantos,
em seu cenário tem vida,
num programa, com encantos
comunitários o fascínio,
dá a todos o tirocínio
da grandeza em todos cantos.
26
No “Ação Escolar” projeta
a influência, positiva,
do Metrô pela cidade...
Movimento que motiva,
no urbanismo,novos lares,
e nos bancos escolares,
consagra-se em voz ativa.

27
Os conceitos cidadãos
São plenos em toda parte
Faz a cultura de então,
dar vida, a vida com arte,
que o visual é cultura,
que encanta, fascina e apura,
é saber que se reparte...
28
Como patrimônio público,
paisagístico e de transporte,
metrô é riqueza da história,
trouxe à vida melhor porte,
é tudo que o povo queria...
Foguete de todo o dia,
do meu trabalho, o suporte.
29
São Paulo renovação,
canteiro da arquitetura,
pátria de nossos estados
onde se sonha fartura...
Ambição a luz do dia
de noite sonho e poesia...
Vive-se bem... A vida é dura!

30
Por todas linhas que passo
por todos sonhos que planto
a trabalho ou a passeio
O metrô tem seu encanto
viajo em paz, sossegado,
feliz e cheio de agrado
e meus limites suplanto.
31
Recordo dos velhos tempos
do transporte e nossa história...
Museu Gaetano Ferolla
têm muito da trajetória...
O bondinho de novela
se à saudade dá trela?
Metrô, é conforto e glória!
32
Salve metroviários. Viva!
gente amiga e de paz!
quem trabalha por São Paulo
é ordeiro em tudo que faz.
Viva minha gente de fé,
em Sampa tudo dá pé,
Viva o Metrô! Viva o Brás!




NILTON MANOEL

(poeta tiberense)
postado em 10/4/04
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com