A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Nesta manhã de quatrocentos e cinqüenta anos

nesta manhã,
sob os tímidos raios-de-sol percebo
O esplendor de pequenas plantas que germinam em cantinhos de lajes e
quintais;
marquise, parapeitos, calhas, fachadas e gradil: são minhas faces úmidas e
urbanas para o pouso e morada de pássaros cinzas como o cimento que me cobre.
nesta manhã,
tenho lembranças emboloradas num fundo de abismo
de minhas artérias tão aprendizes de Jardim do Éden e,
revejo pés descalços e untados de barro em fuga sôfrega da cruz.
nesta manhã,
prendo em varais de arame farpado como uma instalação pós-moderna;
todas grandezas dispáres; todas as crianças hibernadas nas ruas;
todos os restos como condições de sobrevivência;
todos os lábios retesados em diálogos rachados como reboco velho;
todos os perdões que ficaram como pães amanhecidos aos olhos do cotidiano;
nesta manhã,
sinto laços de ternura confeccionados à solda elétrica e,
tenho sob minha cabeça paisagens de éter e ácidos,
emolduro o êxodo sem distinções de raça, credo ou cor e,
abraço a todos despida de rejeição.
nesta manhã,
questiono e recuso esta lucidez equilibrista de pecados lícitos,
que se impõe aos artífices e operários do viver sem nada;
exijo um design de reais liberdades e respostas honestas sobre dignidades.
nesta manhã,
tenho presságios pesados como edifícios pré-fabricados e,
sinto as culpas que brotam em vasos sobre janelas elétricas;
penso no futuro incerto ao som de torneiras e descargas e,
e choro diante de todas as vontades de plástico,
que levam a beleza ao abate.
nesta manhã,
em me emociono com gestos simples a aprecio a to de esfarelar a fome,
num churrasco grego na av. são joão e,
depois:
um prazer promíscuo diante da beleza abrupta de libertinagem no cine cairo.
nesta manhã,
não quero discursos inflamados aos párias de meus partos,
não quero a ética burguesa dos costumes,
nesta manhã,
quero abraçar meus filhos com força e redenção,
nesta manhã,
sou a cidade de são paulo única e feliz.



clóvis de carvalho

(morador do bairro de itaim paulista, zona leste de são paulo)
postado em 06/2/04
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com