A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

O PASSADO

Quando olho o passado,
Em todos os seus detalhes,
Percebo todas as minhas falhas,
Os meus erros,
Os meus enganos,
Observo o manto suave do outono
Na brisa da noite sem fim,
Onde cada piscar de luzes no céu
São pontos que representam a sua silhueta
Consolidados pelo meu desejo de lhe ver
E com isso, sonho,
Desejo, procuro
E me perco,
Por fim me encontrando novamente,
Lhe desejando cada vez mais..
Mas nessa mesma escuridao
Vejo que algo desperta minha alma...
A vontade de viver, de amar e ser feliz..
E entao percebo, que o que havia em meu coraçao
Nao passava de uma miriade de ilusoes
Criadas por minha alma sedenta de amor e carinho,
Percebo que realmene nao existe um só Sol,
Mas pode haver mais de um, quem sabe....
Que nao existe uma só manhã, mas quem sabe duas ou mais....
Que nada é preto ou branco...
Mas que o cinza tambem existe...
Que o que amei tanto, hoje ja nao é tao importante assim
Assim como o Sol passa,
O que foi antes, agora ja nao é mais....
So sei que o que existe ainda e sempre vai existir
E minha amizade
Pois a amizade não é um reflexo do Amor Maior? DEUS!



black

(serpente negra-araruama/rj)
postado em 27/3/06
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com