A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Poesia Concreta

Poesia Concreta
à cidade de São Paulo

Há poesia nas vozes dos
camelôs
que se espalham pela praça
e nessas naves velozes
e também nas chaminés
que espalham a fumaça.

Há poesia nas vidraças
dos grandes prédios de luxo
e também poesia e graça
na crua desgraça
da boca do lixo.

Na mocinha que passa
na praça
nas buzinas dos carros
que invadem a rua
na neblina que às vezes esconde a lua
no pouco de verde que ainda
nos resta
nas rugas de nossa testa
pelo pão de todo dia.

A tua poesia é dura e fria
de cimento, ferro e aço
que saem de tuas fábricas
formando diversas ligas
sustentando os teus prédios
que sustentam nossas vidas.

Mas enquanto existir
um sorriso nas faces
e a esperança,
que dia após dia renasce
ainda acharei uma certa
poesia
em ti.



Maria Ester Torinho..

(São Paulo/SP)
postado em 20/1/04
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com