A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Sampa

São Paulo teus cheiros não se repetem,
teu trânsito insano não me matou
e teu lindo iberapuera me conquistou.
Teus meninos na rua,
de tudo na rua, sempre na rua.

Teus prédios altos
oprimindo pequenas casas.
O mendigo na praça,
o empresário em carro blindado,
o Japonês de riso curioso,
tuas belas e enigmáticas mulheres.

São Paulo porque não dormes?
Teu dia se faz noite, não podes parar.
O teu tempo é outro,
é o tempo do progresso, do dinheiro,
da prostituta na rua.
É o tempo de oportunidades,
da desgraça de teus filhos.

Sou São Paulo,
sou teu rio poluído
com promessas de melhores amanhas.
Sou tua historia, tua excentricidade.

Cidade veloz, imbatível,
faz-te bela, faz-te singela,
faz-te São Paulo.



Adriano de Campos

(Luso-Brasileiro, 3 anos morando em São Paulo)
postado em 12/7/06
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com