A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A Vida ao relento na Vila

(Janela de um apartamento na Vila Madalena - São Paulo)

Passarinho perdido,
ovo de Horácio.
Metafísica,
concreta solidão urbana
nesse palco iluminado
de postes e holofotes,
nas ruas de Pixote.

Sem árvore bacana
para fazer ninho num galho aconchegado,
como o natural esperado.

Aberração moderna
- quase humana -
enlouquece o bicho,
com barulho congestionado.

Sociedade insana,
o banaliza
a ponto de botar ovo
na esquadria fria
da jardineira de cimento
vazia,
onde o sol nasce quadrado.

A polpa da vida acontecendo,
pulsando,
correndo riscos
e dando seu recado.
Como um poema destinado.

Síndrome de sobrevivência ao relento,
de um rebento abandonado.
Insistindo na beleza de SER
e acontecer,
predestinado.



Paula Valeria Andrade

postado em 18/1/04
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com