A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Da Rosa dos Ventos...

São Paulo, Estação de LUZ,

Palco de Eventos,

de Milhares de Elementos,

meu Doce litoral!

Ah! Boa e Antiga Companheira

Hoje DONA das Quatros

Estações em um só dia.

Corredor de Augustos Bondes,

hoje Mural das Ilustrações

dos Tetos

e do acinzentado

nos Corações dos sem tetos.

São Paulo, Tu nos conduz:

às Portas do Paraíso,

às Pazes com São Judas,

ao GRITO do Ipiranga,

ao Verde no Ibirapuera,

aos Caminhos

do Alto do Jaraguá

até outras Serras...

São Paulo,

Parte do GIGANTE

BERÇO DOS TRABALHADORES,

Madrugadores e boêmios

Divisores Eternos

de um mesmo marmitex...

Tu bem Sabes

que não nasceu com o Samba

no Pé...

mas teus Irmãos Vizinhos

sempre te ensinaram a

Dançar,

talvez QUERIDA CIDADE

seja por isso

que Tu sejas Palco

de tantas Outras

Coreografias.

TERRA QUE CHOVEU IMIGRANTES,

ACOLHEDORA DE MIGRANTES,

Minha Terra!

E mesmo diante das

enchentes,

dos 'apagões', da poluição,

do trânsito intolerável,

mesmo diante da carência

das belezas naturais...

consigo em ti,

enxergar os coqueirais!

São Paulo, Tu és ESCOLA!

Nesses Olhos de Mulher

que tem acesos os OlhOs

os da Criança.

Abro os Braços,

Para Ti,

quando Bate as Saudades.

TE AMO!

Grande...

SAMPA.

(escrito às 3:37:18 PM, na Alemanha, 13.03.03)



Rosangela Aliberti
(Psicóloga Clínica, Química Metalúrgica e Terapeuta Floral)

(Italo-brasileira, Paulistana, após três anos em Stuttgart, reside atualmente na Grande São Paulo)
postado em 08/11/04
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com